Ribeiro Comunica

Comunicadores Ribeiro Comunica

Segundona começando e você doido para postar as fotos do final de semana. Já tinha uma galera esperando prá curtir, comentar, alfinetar... Isso sem falar do pessoal das agências com um monte de posts de clientes prontinhos para serem publicados.

E aí, pimba! O Facebook não funcionou. Nada?! Nada.

Uma turma foi xingar muito no Twitter. Outra começou a publicar fotos do erro no Instagram. O Whatsapp bombou e há relatos de gente que tentou reativar a conta do Orkut. Até o começo da tarde dessa segunda o Facebook ainda estava apresentando falhas não só nas páginas do Brasil, mas também em alguns lugares da Europa, Estados Unidos e Índia.

Aí outro dia um especialista em mídias sociais tentava me convencer por que tantas empresas não utilizam mais websites institucionais – agora muitos domínios redirecionam o cliente direto para as páginas dentro do Facebook. Segundo ele, os sites vão se tornar “cada vez mais irrelevantes”. Sério mesmo, cara?

Você investe pesado para que sua página conquiste fãs, engaje o público, gere visitas. Mas, e se o Facebook mudar as regras do jogo? E se for hackeado? E se ele simplesmente falhar como aconteceu hoje? Qualquer mudança pode mandar sua página para o beleléu.

Só isso deveria ser motivo de sobra para ter um site para chamar de “seu” (não esqueça que sua fan page na verdade é do Mark Zuckerberg). Mas se você ainda precisa de outros motivos para não deletar seu site ou (mais importante ainda!) providenciar um, eis aqui algumas informações:

 

• O conteúdo da sua página no Facebook não é indexado pelos mecanismos de busca (SEO). O que isso significa? Perder muitas, muitas e muitas oportunidades de ganhar visitantes.

• As páginas do Facebook não são flexíveis como os websites que podem ser totalmente personalizados. Você não poderá, por exemplo, utilizar a paleta de cores da sua marca ou oferecer áreas de acesso restrito.

• Quantas pessoas usam Facebook para pesquisar produtos? A pesquisa no Facebook pode passar por algumas mudanças positivas, mas no momento, a pesquisa é de domínio do Google!

• Você pode não acreditar, mas é verdade: nem todo mundo está no Facebook. Seja por não gostar de redes sociais, ou preferir outras como Google+, LinkedIn e Twitter, por exemplo. Caso resolva utilizar apenas uma página no Facebook ao invés de um site, a empresa vai focar apenas um segmento o que pode levar a perdas de oportunidades de venda e relacionamento.

• Quem garante que em 5 anos o Facebook será a principal rede social? Caso não seja e a sua empresa aposte todas as fichas lá, será necessário retornar à estaca zero e começar tudo novamente.

• As diretrizes do Facebook podem não estar alinhadas com as suas necessidades. Um exemplo: você tem uma foto de capa bonita para sua página de negócios do Facebook. Quer adicionar o texto? Quer adicionar o seu endereço de email? Quer adicionar o seu número de telefone na imagem de capa? Tudo isso viola as políticas atuais do Facebook, sabia?

 

Fan pages são um canal importante para se comunicar com o cliente. E sim, é preciso investir tempo e recurso para garantir que o que você está fazendo está certo. Mas abrir mão de um site? Não faça isso! Um conselho? Entre escolher um site ou uma fan page... Integre os dois!

 

Flaviana Ribeiro, gestora de comunicação e marketing da Ribeiro Comunica

 

 

Acompanhe as novidades pelo instagram

RUA FERNÃO DIAS PAES LEME, 94, JARDIM PAULISTA, SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, SP | CONTATO@RIBEIROCOMUNICA | (17) 3223.2867